skip to Main Content

Hidroponia é alternativa para cultivo de hortaliças folhosas

A previsão para os meses de novembro e dezembro é de chuva intensa em todo o
Rio Grande do Sul. A notícia que assusta muitos produtores de hortigranjeiros,
não preocupa Adenir Bortoli, agricultor de Santa Rosa. Isso porque, desde o
início do ano, ele passou a utilizar o sistema de hidroponia para a produção de
hortaliças folhosas.


A hidroponia é um sistema de cultivo, no qual a planta não entra em contato
com o solo e fica protegida das variações climáticas. Fechada em estufas e
suspensas em bancadas, as unidades ficam com as raízes imersas em solução
hidropônica, mistura de água e nutrientes. Por não haver contato com o solo, na
maioria das vezes, não há necessidade da aplicação de agrotóxicos, explica o
técnico da Emater/RS-Ascar, Fábio Scalco. “Estando longe do solo, onde se
concentram a maioria das pragas, reduz a necessidade da utilização de defensivos
agrícolas em até 90%”. E as vantagens do cultivo hidropônico são vários. Com a
técnica as plantas ficam protegidas em estufas e o produtor não sofre com as
variações climáticas. O tempo de produção é menor, pois além de não ser
necessária a preparação do solo entre um plantio e outro, o período para o
desenvolvimento da planta é menor que a cultivada no cultivo no solo. “Entre a
colocação da muda na calha e o ponto de comercialização demora entre 21 e 30
dias, enquanto no solo de 35 a 45”, afirma o técnico. E para o produtor existe
ainda outra vantagem: a facilidade em cuidar da horta. “Como a gente não precisa
mais se abaixar para mexer com as plantas, não temos mais dores nas costas”,
conta Bortoli.


Hoje o agricultor produz, por mês, 3 mil pés de alface, de quatro variedades,
mas está ampliando as instalações e, dentro de um mês, terá capacidade para
produzir 20 mil pés de alface, rúcula e agrião. O período para intensificar a
comercialização foi escolhido à dedo. “Essa época é ruim para a produção de
hortaliças, sempre tem muita chuva e calor, vou aproveitar para ganhar mercado
com as hidropônicas”, afirma Bortoli. E mercado é o que não falta no Noroeste do
Estado. Apenas 40% dos hortigranjeiros consumidos, são produzidos na região.


Bortoli vende seu produto para mercados e restaurantes da cidade, mas seu
maior lucro é com a comercialização na feira municipal, realizada três vezes por
semana. Segundo ele, as hortaliças hidropônicas são sucesso de vendas e agradam
o consumidor. “Quem compra a alface hidropônica, nunca mais compra da comum”,
revela. O técnico explica os motivos. “Além de ser mais saborosa, pois não tem
déficit de nutrientes o produto hidropôncio dura mais, porque vem com a raiz e o
processo vegetativo não é interrompido”, afirma Fábio.


Informações
Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional Santa
Rosa
Jornalista Alice Pavanello
55-3512-6665/ 9979-8195
apavanello@emater.tche.br
www.emater.tche.br

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com